ÉVORAFIP

Artigos

Engenharia e Comunicação

Porquê enveredar pelo marketing nas redes sociais?

Muitas pequenas e médias empresas perguntam “porquê investir em marketing para as redes sociais”? A resposta é simples. A grande maioria dos clientes está online, especialmente o público mais jovem. A nova geração de consumidores, os chamados millennials, utilizam a Internet para – literalmente – quase tudo.

De acordo com o estudo Observador Cetelem Consumo 2018, 77% dos millennials portugueses seguem pelo menos uma marca nas redes sociais. Globalmente, existem cerca de mais de 3 mil milhões de utilizadores de redes sociais, sendo o Facebook a plataforma mais utilizada (Hootsuite).

Por sua vez, o Instagram tem ganhado cada vez mais utilizadores nos últimos anos, chegando aos 800 milhões de utilizadores. Quanto às empresas, o Instagram regista 15 milhões de perfis empresariais (julho de 2017). Estes dados explicam-se através das inúmeras melhorias da rede social relativamente às stories e aos anúncios pagos, o que confere um envolvimento 10 vezes superior entre as marcas e os clientes, quando comparado com o envolvimento fornecido pelo Facebook.

Relativamente ao LinkedIn, existem 500 milhões de utilizadores, dos quais 250 milhões são utilizadores mensais ativos, ou seja, utilizam a rede social diariamente. Também é importante notar que mais de 80% das ligações B2B (business to business) são feitas através do LinkedIn.

Entretanto, no ano de 2018, o vídeo ganhou bastante relevância nas plataformas digitais. Sabia que o YouTube tem a segunda maior população total de utilizadores ativos (depois do Facebook), atingindo os 1,5 mil milhões de utilizadores? (Hootsuite).

Para 2019, a Hootsuite identifica 5 tendências principais para as redes sociais:

  1. Reconstrução da confiança. Com os escândalos que surgiram com o Facebook e a segurança de dados, os utilizadores exigem mais segurança, transparência e rigor. À medida que se torna necessário voltar a ganhar a confiança dos utilizadores, as marcas tendem a tornar-se mais humanas.

  2. Atribuição de histórias ao formato social. Já todos ouvimos falar das stories(histórias, em português). O Snapchat inventou este formato temporário de partilhar conteúdos, que mais tarde foi adaptado pelo Instagram e pelo Facebook (quando este adquiriu o Instagram). São as stories que fazem o mundo social avançar, por isso as equipas de produção de conteúdos vão ter de se adaptar a este novo formato de partilha.

  3. Encerramento da lacuna de anúncios. A concorrência na publicidade social aumenta, o que obriga os profissionais de Marketing a melhorar as suas estratégias.

  4. Descodificação do código do comércio. A tecnologia para as compras no meio social melhorou significativamente, o que significa que as empresas finalmente conseguiram traduzir esse tráfego em vendas. Agora, é continuar!

  5. O mundo é devorado pelas mensagens. Os clientes/utilizadores cada vez mais exigem uma experiência social real, de um para um. Querem sentir que estão a falar para alguém real, e que a experiência é autêntica, como se fosse presencial. O que significa que as apps de chat e mensagens viram aumentar o seu número de utilizadores de forma exponencial. Olá, WhatsApp, Facebook Messenger, WeChat, QQ e Skype!

Portanto, se quer manter a sua empresa/marca na corrida pelo mercado, não se deixe ficar para trás. Há que acompanhar as tendências e adaptar-se às novas circunstâncias. Neste momento, essas circunstâncias são as redes sociais e o mundo online.